Muitas pessoas nao gostam de física, e não conseguem entender como alguns “doidos”  ainda tentam entender esta matéria no colégio, e pior ainda são os mais “malucos” que insistem em continuar com isso depois do colégio! Muitos problemas levam ao desinteresse da física, principalmente a forma de ensino, no meu ponto de vista. Uma das coisas que escutei muito de meus colegas na época do colégio e até hoje de alguns de meus alunos é que a física não é vista na prática, na vida de cada um de nós. E de certo modo, é verdade. Claro que a física está presente no dia a dia de cada um, mas estamos condicionados a não enchergá-la. Hoje pretendo escrever sobre coisas do cotidiano onde podemos ver a física em ação!

1 – Portas

Alguém já parou para pensar o porquê das maçanetas estarem onde elas estão e não em outro lugar? Creio que a maioria de vocês já viu algum dos filmes de Senhor do Anéis, então, porque as maçanetas de nossas portas não ficam bem no meio, como as portas das casas dos hobbits, aquelas criaturas pequeninas? Claro que para eles, a estética deve ter falado mais alto, afinal a porta deles era redonda! Nossas portas são retangulares, e então, a maçaneta está onde está por acaso?

De jeito nenhum! Tentem abrir ou empurrar uma porta usando o lado contrário da maçaneta, bem perto da parede. Fica muito mais difícil. E ai está nossa amiga física para explicar o porquê disso. Ao se aplicar uma força sobre um objeto, podem ocorrer duas coisas: ou ele é movido de sua posição inicial, ou ele é rotacionado, girado, de sua posição inicial. No caso da porta, ao empurrarmos um de seus lados, nós a rotacionamos. A rotação de um objeto pode ser descrita e analisada fisicamente pelo torque. O torque é uma grandeza que depende da força aplicada ao objeto e ao braço de alavanca. Eu sei, pode estar confuso, mas abaixo trago uma figura para poder exemplificar o que estou dizendo.

Está ai um brinquedo que todo mundo já viu na vida. O braço de alavanca é a distância entre o círculo (ponto de apoio) da figura e o local onde a criança senta. Quanto maior esse braço de alavanca, mais fácil para as crianças brincarem, porque fica mais fácil rotacionar a gangorra. Claro que também depende do peso da criança, eu mesmo não conseguia ficar lá em cima, era sempre o mais pesado da turma =(. Então pessoal, a porta funciona da mesma forma, uma coisa simples mas que também envolve física.

2 – Rampas

Por que é mais fácil subir por uma rampa do que por uma escada? Rampas são feitas muitas vezes para pessoas com dificuldade de locomoção, como algumas pessoas idosas por exemplo. O fato de ser mais fáil subir em uma rampa do que em uma escada é tão intuitivo que nem sequer pensamos o porquê disso ser verdade.

Para subirmos uma escada, precisamos levantar o pé a cada passo. Dessa forma, precisamos fazer esforço contra a gravidade diretamente. Para subirmos uma rampa, não precisamos levantar o pé a cada passo, de forma que o esforço que fazemos não é diretamente contrário à gravidade. É uma questão vetorial. Podemos ver melhor com o auxílio de algumas figuras:

Figura 1

Figura 2

A Figura 1 mostra uma pessoa subindo uma escada. Ao lado da escada podemos ver que a força necessária para levantar o pé deve ser igual à força da gravidade. Já na rampa, figura 2, ao lado podemos ver que apenas parte da força gravitacional atrapalha o movimento, pois ao subir pela rampa, a pessoa vai arrastando o pé, de forma que a força normal (força que a rampa exerce sobre o pé) ajuda a compensar a força gravitacional. E ai está o porquê de pessoas com dificuldade de locomoção fazerem menos esforço ao subir uma rampa.

3 – Centro de gravidade

Alguém já tentou se levantar de uma cadeira sem jogar o corpo para frente, ou seja, mantendo o corpo  ereto? Não dá! Podem tentar. O problema todo está no centro de gravidade do corpo humano. A maior parte de nossa massa (lembrem-se: massa é diferente de peso!) está distribuída na parte superior de nosso corpo, do quadril para cima. Logo, ao levantarmos de uma cadeira, precisamos jogar o corpo para frente, obtendo assim um equílibrio, que nos possibilita ficar de pé.

É esse tal de centro de massa que também nos possibilita criar um brinquedo como esse:

Para quem não conhece, essa águia de brinquedo se equilibra apenas pelo bico. Isso se deve ao fato de ela ter pesos equivalentes em suas asas, deslocando seu centro de massa para a ponta do bico. Por isso que ela consegue ficar equilibrada desse jeito, pois o equilíbrio depende da posição do centro de massa.

E aí, alguém já conseguiu levantar da cadeira sem jogar o corpo para frente?!?!

4 – Canudos

Engraçado que conseguimos beber facilmente qualquer líquido com o auxílio de um canudo. Será que temos um poder tão grande de sugar líquidos? Será que alguém conseguiria beber algum líquido usando um cano em vez de um canudo?

O que sugamos no canudo não é o líquido e sim o ar contido entre o líquido e nossa boca. Com isso, há uma diminuição na pressão interna do canudo, possibilitando que a pressão atmosférica empurre o líquido de fora para dentro, como no esquema a seguir:

Para que ocorra isso é necessária a sucção do ar e a vedação do canudo pela boca. Esse efeito só é possível porque o canudo é fino, se tentarmos a mesma coisa com um cano mais grosso, nao daria certo.

E por hoje é só, esses são fenômenos físicos de nossos cotidianos que me lembro no momento. Espero que todos possamos exercitar muito mais o porquê de tudo.